Cristina Gonçalves

Recorda quem És! Vive a tua Verdade! Sê tu mesmo!

bookmark bookmark
crisgoncalves On 18 Janeiro 2013

estrela_do_marAlgumas vezes deparo-me com um sentimento de frustração por ver as pessoas que frequentam os meus cursos ou fazem terapia comigo, voltar atrás,  regredir e quase chegar ao ponto inicial, o ponto de partida onde se encontra o sofrimento e a vontade de sofrer.

Há vezes que apetece desistir porque o caminho se torna muito difícil e parece que a contribuição que estamos a fazer não terá impacto nenhum no Sistema Maior…

Nesses momento lembro-me da metáfora da estrela-do-mar e volto a ganhar motivação interior para continuar.

Grata a todas as estrelas individuais que pude ajudar e, que partilharam comigo que fui uma peça fundamental no seu processo.

Não se prende com necessidade de reconhecimento ou outra qualquer. Apenas com o sinal superior de que este é o Caminho e que devo continuar nele, mais nada…

A estrela do mar

Era uma vez um escritor que morava em uma tranquila praia, junto de uma colónia de pescadores.
Todas as manhãs, ele caminhava a beira do mar para se inspirar, e a tarde ficava em casa escrevendo.
Certo dia, caminhando na praia, ele viu um vulto que parecia dançar.
Ao chegar perto, ele reparou que se tratava de um jovem que recolhia estrelas do mar da areia para, uma por uma, jogá-las novamente de volta ao oceano.

- Por que está fazendo isso? – Perguntou o escritor.
- Você não vê, explicou o jovem.
- A maré está baixa e o sol está brilhando.
Elas irão secar e morrer se ficarem aqui na areia.

O escritor espantou-se.
- Meu jovem, existem milhares de quilómetros de praias por este mundo afora, e centenas de milhares de estrelas do mar espalhadas pela praia. Que diferença faz?
Você joga umas poucas de volta ao oceano.
A maioria vai perecer de qualquer forma.

O jovem pegou mais uma estrela na praia, jogou de volta ao oceano e olhou para o escritor e disse:
- Para essa daqui eu fiz diferença.
Naquela noite, o escritor não conseguiu escrever, sequer dormir.
Pela manhã, voltou a praia, procurou o jovem, uniu-se a ele e, juntos, começaram a jogar estrelas do  mar de volta ao oceano.
Sejamos, portanto, mais um dos que querem fazer do mundo um lugar melhor.
Sejamos a diferença!

Autor: desconhecido

Cristina Gonçalves

Artigos relacionados:

Categories: HISTÓRIAS, Outras

Comente o artigo